Restrições de circulação aumentam demanda por logística

Restrições de circulação aumentam demanda por logística

Passado o primeiro ano de pandemia, as restrições de circulação voltaram a ser aplicadas em todo o país. Em meio ao fechamento do comércio físico, as vendas online e a digitalização seguem sendo uma alternativa para amenizar os impactos econômicos, com a tendência de aumentar ainda mais a demanda por logística. Com tamanha incerteza na economia, algumas decisões precisam ser tomadas diariamente, uma agilidade que as novas tecnologias proporcionam aos negócios.

Digitalização continua sendo saída para empresas driblar a crise.

Segundo dados da 6ª rodada da Pesquisa de Impacto no Transporte – Covid-19, realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), a maioria das empresas entrevistadas acreditam que não haverá mudanças no cenário nos próximos seis meses. Das 580 organizações de cargas e passageiros de todos os modais de transporte ouvidas, 28,6{fb80f2d7632d69d5a199706626eec2afd161e9c4c42d861575a0df0c4553ead5} estão otimistas e vislumbram um crescimento da demanda no setor.

Diversas empresas precisaram aceitar a realidade e buscar meios para continuar sobrevivendo, o que não foi diferente com a logística. Apesar das constantes ondulações do mercado, a digitalização também chegou com tudo na logística de transportes, tornando-se uma opção que reduz custos, melhora o processo de entregas e apresenta informações em tempo real. Alguns especialistas em tecnologia acreditam que digitalizar os serviços de um negócio pode ser a salvação para não falir.

De acordo com Antônio Wrobleski, presidente da Pathfind, empresa especializada em otimização e redução de custos logísticos, algumas iniciativas devem ser consideradas neste período: Repensar e replanejar o negócio, além de fazer um planejamento estratégico para o ano, considerando tomada de decisões mais frequentes de acordo com o cenário e o contexto da pandemia;

  • Ter informações em tempo real para saber como agir estrategicamente, ou seja, digitalizar e investir em machine learning;
  • Entender o que realmente é lockdown, compreendendo as implicações econômicas e financeiras dessa condição;
  • Construir um ambiente corporativo online. Quanto mais rápido aceitar essa realidade, melhor.
  • “Tem que ter machine learning, que é o aprendizado do dia a dia, o que está acontecendo na sua empresa. Como minimizar e fazer com que isso represente um impacto menor”, exemplifica. O executivo afirma ainda que as empresas mais organizadas criaram um comitê de crise, que acompanha a evolução da crise pandêmica, os índices do negócio e analisa como podem adequar todos esses fatores.

“Com o contexto do lockdown, o nosso sistema é uma facilidade que oferece a oportunidade para que as empresas fechem os escritórios e continuem com as suas atividades. A quarentena vai continuar, mas não vão acabar as entregas e as transferências entre fábricas”, completa Wrobleski. Para o empresário, não há como imaginar um agora e um futuro na logística sem incluir as novas tecnologias, conjuntura antecipada pelo coronavírus. “As informações internas e os números da pandemia estão ligados, e se você correlacioná-los, pode fazer comparativos e tomar decisões melhores”, finaliza.

fonte: www.portogente.com.br