ENTENDA O QUE FAZ UM PRÁTICO DE NAVIOS E O QUE DIFERENCIA ESTE PROFISSIONAL

ENTENDA O QUE FAZ UM PRÁTICO DE NAVIOS E O QUE DIFERENCIA ESTE PROFISSIONAL

Quando estamos ou visitamos uma cidade ou lugar que não conhecemos sempre pedimos informações ou até mesmo pedimos a um motorista local para nos levarmos a um destino.

Os motoristas locais podem ajudar não só em levá-lo aos destinos mais também mostrar a você o que o lugar tem de melhor, como praias, montanhas e também os destinos locais mais procurados por turistas. Pode parecer de início que os guias turísticos e os motoristas não possuem nenhuma relação com a condução de navios, portanto, a ideia que nos leva a optar pelos serviços especializados nas regiões se aplica a lógica do que os Práticos de Navios fazem, esses profissionais são indispensáveis e têm um papel super importante não somente na navegação mas também na economia e segurança das regiões costeiras ao redor de todo o mundo.

Chamado também de Prático de Porto ou somente “Prático”, esse profissional possui grande importância não somente na navegação mas também na economia de um país. Esse profissional trabalha de forma direta com as tripulações das embarcações nas Zonas de Praticagem (ZPs), ou seja, regiões próximas dos portos onde as manobras de atracação e desatracação ocorrem.

Esse profissional precisa ser formado pela Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante e não existe um curso superior específico para se especializar na profissão de Prático, o acesso à profissão é feita através de um processo seletivo.

Os Práticos podem ser considerados como os “guias” ou conhecedores do local, regras e condições naturais e riscos de cada região portuária. Esse profissional é convocado sempre que cargas e também passageiros precisam transitar nas chegadas e partidas. No cotidiano da profissão, o Prático é responsável por orientar as manobras e chefia junto ao Comandante do Navio, portanto, o Prático de Navios coordena também a atuação das tripulações dos rebocadores e também as lanchas de apoio e orienta também as equipes responsáveis pela amarração do navio ao cais.

Em muitos países desenvolvidos a Praticagem opera sem qualquer vínculo com empresas de transporte, ou seja, essa profissão está a salvo de interesses econômicos, esse é o caso de países como Estados Unidos, Alemanha e também Canadá. Esse modelo também é adotado no Brasil onde além da importância econômica que essa profissão tem, os Práticos executam também um papel de defesa do meio ambiente das regiões de costa e também em rios navegáveis mantendo essas águas livres de poluição.

PRATICAGEM NO BRASIL – HISTÓRIA

Há pelo menos 4.000 anos os Práticos são encarregados das manobras das embarcações em zonas portuárias. No Brasil a praticagem começou em 1808 com a implantação do Serviço de Praticagem organizado no território nacional por meio do Regimento para os Pilotos Práticos da Barra do Porto da Cidade do Rio de Janeiro, o documento assinado pelo Visconde de Anadia, na época Secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos e rubricado pelo Príncipe Regente D. João VI.

Esse documento de grande importância definiu a vinculação dos Serviços de Praticagem e a livre circulação das mercadorias por meio da Segurança da Navegação em águas restritas. Esse Regimento foi necessário devido a Abertura dos Portos que foi outorgada pela Carta Régia de 28 de Janeiro de 1808. Essa carta reconhecia a demanda dos Pilotos Práticos capazes e com conhecimento suficiente para merecer a confiança dos comandantes ou mestres das embarcações que saírem e entrarem no Porto.

A história da praticagem no Brasil vem se expandindo cada vez mais e com o passar do tempo sofreu diversas mudanças. A última mudança significativa foi no ano de 2000 quando foi implementada a NORMAM 12 que tem como objetivo estabelecer diretrizes para o serviço de praticagem nas águas brasileiras.

POR QUE ESSA PROFISSÃO É TÃO IMPORTANTE?

Os Práticos de navios por mais que um Comandante seja experiente, ele é especializado somente na condução da embarcação em mar aberto, longe de obstáculos e não dentro das regras e também das particularidades geográficas de cada porto. Portanto, o Prático diferente do Comandante possui habilidade e conhecimentos para realizar manobras com segurança dentro dos portos, esse profissional possui conhecimentos da direção dos ventos, correntes, marés e também as características meteorológicas e relevo submarino de cada região.

Cada prático deverá ser treinado e também contratado em uma Zona específica, por isso a formação do Prático inclui uma combinação de fatores e conhecimentos técnicos sobre a manobra das embarcações e também conhecimentos sobre os elementos naturais e costumes locais.

fonte: navalportoestaleiro.com